• 17 de agosto de 2022 15:44

Editorial

dez 9, 2021

A notícia da Prainha

Era uma vez uma cidade. De repente, virou a febre do turismo. Os prédios começaram a ser construídos um após o outro. Necessária se fazia “importação” de mão de obra de outras regiões do país. Com as obras a todo vapor, o emprego era farto, incentivava chamar os parentes e vizinhos. Guarujá viveu esse momento de encantamento e de incremento da construção civil, mas não se preparou, assim como a maioria das metrópoles do mundo, para absorver o povo que mudou para a cidade.
Várias comunidades com construções irregulares surgiram ao longo desse processo, mas uma das mais cruciais está no bairro Prainha, onde o convívio entre porto e cidade se mostra mais cruel. Acossados pelo porto que pede passagem e pela rede ferroviária que ceifa vidas ou órgãos, os moradores estão deixando o local e ganhando uma nova oportunidade de moradia, no Parque da Montanha. O programa da prefeitura rompe um ciclo de nanismo na questão habitacional de Guarujá. Priorizar os moradores da Prainha não é somente uma questão de moradia, mas sim de dignidade.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.